Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402368 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403872 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4769 36022832 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5089 36958888 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402368 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403872 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4769 36022832 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5089 36958888 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402368 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403872 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4769 36022832 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5089 36958888 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402368 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403872 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4769 36022832 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5089 36958888 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

Pelo 6º mês consecutivo, MS tem a gasolina mais cara do Centro-Oeste

Pelo 6º mês consecutivo, MS tem a gasolina mais cara do Centro-Oeste

gasolina cara

Mato Grosso do Sul registrou a gasolina e o etanol mais caros da região Centro-Oeste em setembro.

De acordo com o Índice de Preços Ticket Log (IPTL), o biocombustível chegou a seu maior preço desde fevereiro, enquanto o litro da gasolina é o mais caro da região desde abril.

Em setembro, o preço médio do litro da gasolina em MS é de R $ 4,73, e o do etanol, R $ 3,31.

Conforme o levantamento, no Centro-Oeste, o maior valor para a gasolina foi registrado em MS (R $ 4,73), na sequência vem Goiás, com média de R $ 4,62 por litro do combustível, Mato Grosso, onde a gasolina é comercializada a R $ 4,58, e Distrito Federal, cujo valor médio registrado foi de R $ 4,57 por litro de gasolina.

“A gasolina tem tendência de alta na região Centro-Oeste desde que a retomada de algumas atividades avançou no País. O anúncio mais recente da composição para o combustível também pode ter influenciado na relação de vantagem para o etanol em todos os estados ”, apontou Douglas Pina, diretor de Mercado da Edenred Brasil.

O levantamento aponta ainda que o Estado teve o quarto combustível mais caro do País, atrás apenas de Acre (R $ 5,13), Rio de Janeiro (R $ 4,92) e Pará (R $ 4,74).

De acordo com o diretor do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis Automotivos (Sinpetro-MS), Edson Lazarotto, os pacotes são mais caros no interior do Estado por causa do frete.

“Quando os preços são pesquisados, eles levam em consideração os postos do interior, onde o [preço do] litro normalmente é diferente da Capital por conta dos encargos de frete, que impactam em até R $ 0,15 por litro, dependendo da distância . Hoje, por exemplo, em Campo Grande, onde se vende 40% do volume total do Estado, a média [de preço] da gasolina está entre R $ 4,25 e R $ 4,39, ea do etanol entre R $ 2, 99 e R $ 3,10 ”, disse o representante dos empresários.

Em abril, houve uma redução nos preços dos combustíveis em todo o País. No Estado, o preço médio da gasolina caiu de R $ 4,76, em março, para R $ 4,38, em abril.

Mesmo assim, os outros estados da região Centro-Oeste registraram preços menores no mês.

Mato Grosso registrava preço médio de R $ 4,28, em Goiás o litro era comercializado a R $ 4,12, e não Distrito Federal o médio era de R $ 3,88.

Desde então, o Estado registra a maior média de preços para o combustível entre os entes federativos do Centro-Oeste.

Lazarotto ainda ressaltou que a mudança na alíquota do etanol e da gasolina influenciou nos preços desde fevereiro, quando a mudança passou a valer.

No segundo mês do ano, o governo do Estado alterou o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os combustíveis, relacionados ao índice de 25% para 20% sobre o etanol, enquanto o imposto sobre a gasolina aumentou de 25% para 30%.

“Nunca podemos esquecer que o ICMS da gasolina em nosso Estado é de 30%”, frisou o diretor.

Já compensa abastecer com etanol

Apesar de ainda ser o etanol mais caro do Centro-Oeste, a mudança na alíquota foi percebida no preço do biocombustível. Conforme a pesquisa da Ticket Log, o litro do etanol custava R $ 3,79 em fevereiro, R $ 0,48 a mais que o preço registrado em setembro (R $ 3,31).

Mesmo assim, o álcool de MS é o mais caro da região. No Distrito Federal, o preço médio é de R $ 3,26, em Goiás, R $ 2,94, e em Mato Grosso, R $ 2,88. Veja a pesquisa, com a gasolina a R $ 4,73 e o etanol a R $ 3,31, a diferença entre os pacotes chega a 69%, menor que o máximo indicado de 70%.

O biocombustível tem uma queima maior, sendo consumido mais rapidamente. Assim, com um litro de álcool, o motorista percorre uma quilometragem menor, se comparado à autonomia de um litro de gasolina.

O diesel segue sequência de alta e registrou seu maior valor em Mato Grosso, tanto para a versão comum quanto para o S-10. Os preços registrados no estado foram R $ 4.086 e R $ 4.062, respectivamente.

Os valores mais baratos foram encontrados em Goiás, apesar de ter fechado com aumentos bem expressivos em relação ao mês de agosto, 4,9% para o diesel e 4,8% para o diesel S-10.

Em Mato Grosso do Sul, o valor médio para o diesel comum foi de R $ 3,72 em setembro, para o diesel S-10 a média é de R $ 3,76.

Pesquisa da ANP está suspensa

O índice de preços de tarifas da Ticket Log é levantado com base nos abastecimentos realizados nos 18 mil postos credenciados.

O diretor do Sinpetro ressalta que o levantamento oficial dos preços dos direitos efetivos pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e segue suspenso.

“As pesquisas da ANP estão paralisadas desde agosto, para lançar uma nova maneira de pesquisar postos e distribuidoras, e devem voltar no início de outubro”, destacou Lazarotto.

A última divulgação da ANP foi realizada no dia 22 de agosto. A previsão inicial era a de que uma pesquisa voltasse a ser publicada no dia 14 de setembro, mas o prazo foi postergado.