Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402176 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403680 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.5165 36320592 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5309 37265288 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402176 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403680 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.5165 36320592 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5309 37265288 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402176 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403680 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.5165 36320592 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5309 37265288 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402176 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403680 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.5165 36320592 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5309 37265288 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

O voo do adeus

O voo do adeus

 

 

passaredo-ultimo-voo-200616

Passaredo fez o último voo em Dourados; empresa troca a cidade por Rio Verde, em Goiás. (Foto: Paulo Roberto Gonçalves).

Dênes de Azevedo

 

A Passaredo Linhas Aéreas realizou na madrugada desta segunda-feira, dia 2o, o seu último voo em Dourados. Às 4h o ATR 72 decolou como voo PAZ2346 e deu adeus ao aeroporto Francisco de Matos Pereira, levando os últimos passageiros com destino a Guarulhos, em São Paulo.

Não há nenhuma previsão de retorno da companhia aérea do interior paulista e que se encontra em séria crise financeira volte a operar em Dourados.

Não há no site da Passaredo qualquer venda de passagens futuras para Dourados. Muito menos há pedido de Hotran (autorização para voos) pela companhia na Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) para Dourados.

Uma fonte da área da aviação disse ao Indicador Econômico que na sede da companhia quando perguntado sobre o retorno a Dourados o pessoal desconversa. O que indica que a empresa não volta mais.

Por outro lado, há rumores de que a companhia, quase sem aviões, vai mudar a base de Dourados para Rio Verde, em Goiás, por conta de um acordo como o governo daquele Estado que inclui isenção quase total no imposto sobre o preço do querosene, combustível utilizado nas aeronaves propulsionadas por motores à reação (chamados popularmente de turbinas), como é o caso do ATR. Ninguém confirma se a especulação é verdadeira. Mas a Passaredo já pediu voos ligando Rio Verde a Brasília.

Recentemente o diretor do aeroporto, Juliano Domingos, disse ao Indicador Econômico que se a Passaredo deixasse de operar em Dourados não seria por problema de falta de passageiros. Segundo o diretor, os voos da empresa em Dourados tinha muito boas lotações.

Com o fim da operação da Passaredo fica em Dourados apenas a Azul, com dois voos diários. Não há mais nenhum voo noturno e há pouca possibilidade de a companhia voltar operar à noite devido aos problemas climáticos em Dourados e a restrição no aeroporto para operação por instrumentos para aeronaves de mais que 25 metros de envergadura (ponta de asa a ponta de asa), como é o caso do ATR 72.

A Azul liga Dourados a São Paulo pelo aeroporto de Viracopos, em Campinas. A malha de voos em Dourados agora fica assim:

AZU 9214 – Diário exceto domingo: VCP 08h20 – DOU 09h45;

AZU 9215 – Diário exceto domingo: DOU 10h20 – VCP 13h30;

AZU 9216 – Diário exceto sábado: VCP 15h25 – DOU 16h45;

AZU 9217 – Diário exceto sábado: DOU 17h20 – VCP 20h25.

 

AEROPORTO

A Prefeitura de Dourados aguarda o Estado emitir licença ambiental do aeroporto para que o Banco do Brasil possa licitar um projeto de R$ 40 milhões, cujos investimentos vão permitir a operação de aeronaves de maior porte com o uso de equipamentos para pouso e decolagem. Isso pode atrair para a cidade Gol, TAM e Avianca, melhorando os acessos e condições de preços dos bilhetes. Porém, vale lembrar, que o momento é muito ruim para a aviação devido aos preços do petróleo.

Com a ampliação poderá operar aeronave categoria 4C, com 90% do peso máximo de decolagem. O Boeing 737-800, operado pela Gol, e o Airbus A-319, operado pela TAM, estão nessa categoria.

A previsão é de que o novo terminal de passageiros tenha 2.160 m², a pista de pouso e decolagem passa para 2.280 metros por 45 metros de largura. O pátio de aeronaves terá quatro posições para operação simultânea, será construída nova seção contra incêndio e instalado equipamentos modernos para operação por instrumentos.