Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402304 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 403808 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.5252 36751480 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5395 37704920 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402304 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 403808 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.5252 36751480 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5395 37704920 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402304 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 403808 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.5252 36751480 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5395 37704920 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402304 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 403808 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.5252 36751480 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5395 37704920 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

Na região, maior alta no custo da construção é em MS

Na região, maior alta no custo da construção é em MS

 

construcaocivil

Custo do m² da construção fechou o mês de abril em R$ 981,24, considerando material e mão de obra, o que representa um incremento de 0,72% em relação aos preços praticados em março. (Foto: Divulgação).

Henrique de Matos

Pelo segundo mês consecutivo, Mato Grosso do Sul apresentou a maior alta no custo da construção civil na região Centro-Oeste. Conforme os números divulgados na sexta-feira (6) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas), o custo do metro quadrado da construção fechou o mês de abril em R$ em R$ 981,24, considerando material e mão de obra, o que representa um incremento de 0,72% em relação aos preços praticados em março. No ano, a alta acumulada no preço das edificações em MS já chega a 2,45%. Nos últimos 12 meses, o metro quadrado ficou 7,38% mais caro no Estado.

A segunda maior alta no Centro-Oeste foi registrada em Goiás. Conforme o IBGE, o Estado apresentou uma alta de 0,54% no custo do metro quadrado da construção, fechando abril em R$ 981,24. Na região, o Estado mais caro para se construir é o Distrito Federal, onde o custo do metro quadrado chega a R$ 1.030,02 (alta de 0,32% em abril). No Mato Grosso o preço para edificar o metro quadrado é de R$ 991,45.

PAÍS

O custo nacional da construção, por metro quadrado, que em abril o fechou em R$ 984,81, em abril subiu para R$ 989,37, sendo R$ 526,78 relativos aos materiais e R$ 462,59 à mão de obra.

A parcela dos materiais apresentou variação de 0,27%, ficando 0,08 ponto percentual abaixo da taxa de março (0,35%). Já a parcela da mão de obra apresentou variação de 0,69%, caindo 0,66 ponto percentual em relação ao mês anterior (1,35%). De janeiro a abril, as taxas ficaram em 2,07% (materiais) e 3,40% (mão de obra), e os acumulados em doze meses ficaram em 4,88% (materiais) e 9,80% (mão de obra).

A região Nordeste, com 1,30%, ficou com a maior variação regional em abril. As demais regiões apresentaram os seguintes resultados: 0,14% (Norte), 0,00% (Sudeste), 0,23% (Sul) e 0,47% (Centro-Oeste).

Os custos regionais, por metro quadrado, foram: R$ 1.010,81 (Norte); R$ 924,25 (Nordeste); R$ 1.026,93 (Sudeste); R$ 1.020,59 (Sul) e R$ 993,31 (Centro-Oeste).