MS TEM 5,7 MIL CASOS DE DENGUE

MS TEM 5,7 MIL CASOS DE DENGUE

dengue

Subiu para 5,7 mil os casos de dengue em Mato Grosso do Sul. O número já é cinco vezes maior do que o registrado no mesmo período do ano passado (1.075) . Em apenas dois meses, o total de casos desse ano já é mais da metade do que o total de 2018 inteiro.

Em Dourados, são 84 registros esse ano contra 14 no ano passado. O número ainda é considerado de baixa incidência.

Ao todo 10 cidade de MS estão em alerta. São elas: Três Lagoas com incidência de 1.322,6 a cada 100 mil habitantes, Figueirão (1.234,6) Sidrolândia (1080.5), Água Clara (695,9), Rochedo (678,8), Selvíria (637,9), Aparecida do taboado (421,4), Vicentina (365,9), Camapuã (341,3) e Corguinho (302,5).

MORTE

A morte de um menino de 5 anos, identificado como Sidney dos Reis Nantes, pode ter sido a segunda provocada por dengue em Mato Grosso do Sul, em 2019. O óbito foi confirmado na manhã desta segunda-feira (25), no Hospital Universitário, em Campo Grande, um dia após a vítima dar entrada na unidade de saúde. A Sesau (Secretária Municipal de Saúde) já foi informada do caso e aguarda o lado com a declaração da morte para confirmar a causa.

Em nota, a assessoria de comunicação da Secretaria de Saúde lamentou a perda e afirmou que o documento que apontará se a causa mortis foi dengue, que será enviada pelo hospital, pode ser entregue em um período de até 30 dias.

A Sesau registrou  o primeiro atendimento do menino na última quinta-feira (21), quando os pais levaram Sidney até UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Bairro Universitário. Na ocasião, a equipe médica teria chegado a suspeitar da doença, mas o paciente foi liberado.

Ontem (24) à noite, familiares deram entrada do garoto no HU, onde exames de sangue foram realizados. Segundo a assessoria do Hospital Universitário, o menino recebeu toda a assistência de infecto-pediatra desde a internação, já em estado grave. Mas na manhã de hoje enfrentou cerca de 10 paradas cardíacas e acabou falecendo. Ainda conforme a assessoria do Hospital Universitário, o menino “passou por vários postos de saúde”, antes de chegar ao HU.