Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 400968 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401240 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.2985 8739440 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3080 9255320 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 400968 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401240 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.2985 8739440 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3080 9255320 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 400968 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401240 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.2985 8739440 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3080 9255320 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 400968 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401240 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.2985 8739440 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3080 9255320 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

MS é o 8º Estado mais endividado do país

MS é o 8º Estado mais endividado do país

 

reinaldo-azambuja-foto-george-gianni-psdb-

Governador Reinaldo Azambuja desde que assumiu o cargo tem dito que a situação é crítica. (Foto: George Gianni).

Da redação

Dados do Tesouro Nacional e do Banco Central divulgados na semana passada pelo jornal Folha de São Paulo mostram que Mato Grosso do Sul aparece como o oitavo Estado mais endividado do país. Conforme a publicação, a dívida do Estado atingiu 94% da receita anual de 2015.

Mato Grosso do Sul está com nível alto de dívida, mas a situação é mais favorável do que em outros sete Estados. Por aqui, a crise financeira não é novidade. O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) desde que assumiu o cargo, em janeiro de 2015, tem dito que a situação é crítica.

No ano passado, fez um mutirão de corte de gastos em cada secretaria para otimizar os recursos e aumentou os principais impostos, como ICMS (Impostos sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e IPVA (Imposto sobre a propriedade de Veículo automotor).

O estudo apresenta ainda que Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro lideram o ranking, com percentual que passa dos 200% e acarreta em penalidades, como a impossibilidade de contrair novos débitos. Os estados são os que mais sofrem financeiramente com a queda na arrecadação federal, devido a crise.

O nível de endividamento resulta em problemas financeiros para os estados. O levantamento mostra que, praticamente todos sofrem algum tipo de fragilidade fiscal, seja queda na receita, contas no vermelho, endividamento ou gastos com pessoal em excesso.