Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402208 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403632 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3475 8716744 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3614 9633928 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402208 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403632 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3475 8716744 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3614 9633928 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402208 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403632 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3475 8716744 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3614 9633928 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402208 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403632 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3475 8716744 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3614 9633928 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

MESMO NA CRISE, COMÉRCIO DE MS CRESCE

MESMO NA CRISE, COMÉRCIO DE MS CRESCE

 

 

postos-foto-brasilpostos

Setor de combustíveis e lubrificantes cresceu 5,5% em junho, em relação aos mesmo mês do ano passado. (Foto: Brasil Postos).

Dênes de Azevedo

 

A receita nominal do comércio de Mato Grosso do Sul cresceu 1,7% em junho deste ano, em relação a junho do ano passado. O resultado é melhor do Centro Oeste e está acima da média do Brasil, que ficou no zero. É o que aponta a pesquisa conjuntural do comércio do IPF-MS (Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio MS).

O desempenho positivo do Estado foi puxado pelos setores de combustíveis e lubrificantes, que cresceu 5,5%; de alimentação (hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo), que evoluiu 5,3%; artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, perfumaria e cosméticos, que avançou 5%; livros, jornais, revistas e papelaria, que elevou a receita em 2,7% e ainda outros artigos de uso pessoal e doméstico, que ficou positivo em 2,6%. Tecidos vestuário e calçados cresceu 0,1%.

Os destaques negativos são os setores de Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação, cujo resultado das vendas teve queda de 8,5%; materiais de construção, com queda de 3,1% e móveis e eletrodomésticos, com -1,4%. O setor de veículos, motos, partes e peças teve queda nominal de 0,9%.

O resultado global da receita nominal do comércio no Brasil não teve crescimento de junho deste ano para o mesmo mês do ano passado. Mais 5 das 10 atividades comerciais apresentaram crescimento, com destaque para artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, perfumaria e cosméticos, que avançou 10,2% e hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, que cresceu 10,1%. Os setores com maior queda de receita foram o de veículos, motos, partes e peças, com -14%, e livros, jornais, revistas e papelaria, com -9,4%.

Com relação ao Centro Oeste, Mato Grosso foi o único a apresentar variação positiva na receita nominal. Em relação a junho do ano passado o Distrito Federal teve queda de 7,8%; Goiás, 4,6% e Mato Grosso ficou com -1,3%.

 

ACUMULADO

No acumulado de 12 meses Mato Grosso do Sul também está positivo e acima da média do país. A receita nominal do comércio no Estado cresceu 0,8% enquanto que a global do Brasil caiu 2,1%.

O melhor setor foi outros artigos de uso pessoal e doméstico, que cresceu 14,5%, e o de artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, perfumaria e cosméticos, que avançou 13,3%. Os piores foram os de veículos, motos, partes e peças, com queda de 12,6%, e o de móveis e eletrodomésticos, que despencou 10%.

A pesquisa do IPF-MS tem como objetivo acompanhar o comportamento dos principais segmentos do comércio varejista do Estado, usando como base a Pesquisa Mensal do Comércio do IBGE.

Resultado Nominal é o conceito fiscal mais amplo e representa a diferença entre o fluxo agregado de receitas totais (inclusive de aplicações financeiras) e de despesas totais (inclusive despesas com juros), num determinado período.