Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 400968 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 401240 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3402 8741480 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3524 9257360 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 400968 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 401240 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3402 8741480 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3524 9257360 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 400968 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 401240 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3402 8741480 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3524 9257360 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 400968 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 401240 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3402 8741480 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3524 9257360 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

Governo fará diagnóstico turístico de todo o Estado

Governo fará diagnóstico turístico de todo o Estado

 

nelson cintra-festival-gastro-ddos-180516

Cintra entre a secretária Beth Salomão e o prefeito Murilo. Para fazer estudo que desenvolverá o turismo Estado fará um acordo de cooperação com universidades. (Foto: A. Frota/Assecom).

Dênes de Azevedo

 

O presidente da Fundtur-MS (Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul), Nelson Cintra, disse nesta quarta-feira, dia 18, na 52ª ExpoAgro, durante o lançamento do 4º Festival Gastronômico Sabores de Dourados, que o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) lhe pediu um diagnóstico turístico de todo o Estado de Mato Grosso do Sul.

“Quando se fala em turismo no Estado se pensa em Bonito e Pantanal. Por isso o Reinaldo nos pediu para fazer um grande diagnóstico de todo o Estado pra gente saber tudo o que tem de potencial e desenvolver”, disse. Para fazer esse estudo o Estado fará um acordo de cooperação com as universidades federais e a universidade estadual.

A proposta, segundo Cintra, é promover o turismo local, fazendo com que as pessoas passem a viajar mais dentro do Estado, gastando menos dinheiro fora. “A gente vê que quando as pessoas tem um dinheiro para viajar vai gastar fora do Estado. Queremos que ela viaje aqui dentro também”, diz o presidente.

Cintra citou como exemplo o próprio caso dele. Disse que como morador de Campo Grande e proprietário rural no sudoeste do Estado sempre se concentrou mais nessa região. Agora como presidente da Fundtur tenho viajado por todo o Estado e se surpreendido com as suas belezas e riquezas. “Aqui mesmo vejo a pujança de Dourados”, disse.

De acordo com o presidente da Fundtur os eixos norteadores da política para o fomento do turismo no Estado, que tem foco na ampliação e diversificação da oferta turística, incluem a elaboração de novos roteiros, a implantação de infraestrutura turística, marketing e promoção com participação em feiras e rodadas de negócios.

Segundo ele, o modelo de gestão é baseado na articulação e interlocução com os municípios. Para Cintra, o contato direto com os municípios possibilita o levantamento das necessidades locais e auxilia no diagnóstico das dificuldades e entraves que impedem o desenvolvimento do setor. Em Dourados, por exemplo, ele já esteve várias vezes depois que assumiu a Fundtur.

A implantação do Observatório de Turismo de MS é ferramenta indispensável para o planejamento, estruturação e promoção da atividade turística, por meio da mensuração de dados estatísticos, pesquisas e estudos visando subsidiar a gestão pública, iniciativa privada e investidores na tomada de decisões, bem como, acompanhar e monitorar o setor.

“O Estado possui um grande potencial para desenvolver o turismo em várias regiões, gerando mais postos de trabalho, maior valorização e proteção do patrimônio natural, histórico e cultural, maior dinamismo na economia do estado e imensuráveis melhorias na vida das comunidades visitadas”, disse recentemente em entrevista à imprensa oficial do Estado. “Mesmo cidades que possuem sua economia baseada em outras vocações, podem incrementá-la com investimento em atrativos turísticos e beneficiar-se deste setor, que impacta 52 segmentos diferentes da economia”, acrescenta.