Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 400904 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401176 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3066 8703112 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3166 9147056 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 400904 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401176 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3066 8703112 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3166 9147056 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 400904 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401176 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3066 8703112 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3166 9147056 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 400904 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401176 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3066 8703112 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3166 9147056 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

Fiems emite ATA Carnet em setembro

Fiems emite ATA Carnet em setembro

 

fiems-cin

ATA Carnet é um documento aduaneiro reconhecido em 74 países. (Foto: Divulgação).

A partir de 1º de setembro deste ano, o CIN (Centro Internacional de Negócios) da Fiems passará a emitir o ATA Carnet, que se trata de um documento aduaneiro válido internacionalmente e que permite a exportação e a importação temporária de bens livre de impostos de importação pelo período de um ano. O termo de autorização para a emissão desse documento foi assinado nesta semana pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) e a Receita Federal do Brasil.

Segundo a gerente do CIN da Fiems, Fernanda Barbeta, o ATA Carnet é reconhecido em 74 países. “O documento aduaneiro funciona como passaporte de mercadorias. É uma fundamental ferramenta de facilitação de comércio e auxiliará a competitividade das indústrias brasileiras”, pontuou, acrescentando que o uso do ATA Carnet reduz o custo para exportadores porque elimina encargos e tributos de importação e exportação temporária.

Além disso, de acordo com Fernanda Barbeta, a entrada nos países é simplificada e a burocracia reduzida, pois todas as formalidades aduaneiras são resolvidas com apenas um documento. “Trata-se de mais um avanço para facilitar os processos de comércio exterior no Brasil. O ATA contribui tanto para a atuação das nossas empresas lá fora quanto para a atração de negócios ao Brasil, sendo uma eficiência fundamental”, afirmou.

Em nível nacional, a Receita Federal passará a reconhecer carnês emitidos por outros países no início de julho, sendo que as empresas podem utilizar o documento em três tipos de operação: para transportar amostras comerciais, equipamentos profissionais ou artigos para apresentação ou uso em feiras, exposições e eventos semelhantes.

Os produtos podem circular em mais de um país com o mesmo documento por 12 meses e os 74 países que já trabalham com o ATA Carnet representam quase 75% do fluxo de comércio exterior (importação e exportação) do Brasil, destacando entre eles os Estados Unidos, a China, a Alemanha, o Japão e o México. Em todos os países, uma única organização empresarial aprovada pela aduana é responsável por garantir que tributos e taxas serão pagos em caso de irregularidades no uso do documento – venda de bens ao invés de repatriação, por exemplo. (Da Fiems).