Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402176 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403680 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.5584 36314984 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5723 37259680 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402176 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403680 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.5584 36314984 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5723 37259680 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402176 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403680 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.5584 36314984 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5723 37259680 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402176 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403680 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.5584 36314984 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5723 37259680 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

FEVEREIRO MUITO QUENTE

FEVEREIRO MUITO QUENTE

 

fevereiro quente

 

 

Dourados teve um dos meses de fevereiro mais quentes dos últimos 38 anos. A temperatura média do mês de fevereiro deste ano foi de 26,2ºC. Esse foi o segundo mês de fevereiro mais quente da série histórica. Dados monitorados pela Embrapa Agropecuária Oeste, por meio do Guia Clima, demonstram que a média histórica da temperatura em fevereiro é de 25,1ºC.

“Nos últimos 38 anos, os fevereiros mais quentes foram registrados em 2010, com média de 26,4ºC e agora novamente em 2017, com 26,2ºC, portanto 1,1ºC acima do normal para este mês”, disse o pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste, Danilton Luiz Flumignan.

Ao longo dos 28 dias de fevereiro, os douradenses enfrentarem 24 dias com temperaturas que passaram de 30ºC, ou seja, apenas 4 dias do mês registraram temperaturas abaixo dos 30ºC. O dia 21 de fevereiro foi o mais quente com registro de 36,5ºC.

“Desde 2009, as temperaturas do mês de fevereiro tem se apresentado acima da média histórica. Isso revela que, aparentemente, o mês de fevereiro vem esquentando ano após ano”, acrescenta Flumignan.

A altas temperaturas de fevereiro de 2017, registradas pela Embrapa, em Dourados, não são um fato isolado. É uma realidade também de outras cidades do Brasil.