Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402368 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403872 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.5148 35498952 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5289 36422752 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402368 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403872 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.5148 35498952 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5289 36422752 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402368 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403872 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.5148 35498952 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5289 36422752 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402368 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403872 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.5148 35498952 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5289 36422752 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

FCO quer injetar R$ 200 milhões em micro e pequenas empresas de MS

FCO quer injetar R$ 200 milhões em micro e pequenas empresas de MS

Apenas as grandes empresas geraram 51.310 empregos no ano passado em Dourados - foto: Arquivo
O comércio de Mato Grosso do Sul tem disponível R$ 200 milhões do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) empresarial. O aumento do montante, que anteriormente era de R$180 milhões, beneficiará as Micro e Pequenas Empresas (MPEs) do Estado.

De acordo com o representante da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio-MS) no Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis (CEIF) pelo FCO, Hermas Renan Rodrigues, as micro e pequenas empresas poderão ser as mais beneficiadas do setor comercial com a alteração na Lei para financiamento do FCO, que aumentou o valor destinado ao capital de giro das pequenas e médias empresas  para R$ 200 mil (antes era R$ 180 mil). Já o teto do empréstimo para o microempreendedor individual (MEI) passa de R$ 7 mil para R$ 10 mil. “Acreditamos que o valor vai atender a demanda dos empresários que ainda estão receosos de fazer financiamento depois de um período sofrido para o setor varejista”, diz Hermas.

O valor já contratado pelas MPEs junto ao Banco do Brasil soma R$ 220 milhões, distribuídos em 1.459 contratos. Conforme a Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), a linha empresarial do FCO ainda dispõe de R$ 200 milhões para atender novas propostas. O prazo para firmar contratos se encerra em 15 de dezembro e é importante que todo esse volume seja disponibilizado ao mercado em tempo hábil para capacitar o Estado a manter ou ampliar a fatia que detém no Fundo. De acordo com Hermas, foi percebido, ao longo dos últimos meses, o interesse de supermercadistas e também de varejistas do ramo de calçados nessas linhas, com mais facilidades, por isso acredita-se que será  ampliado para outros os setores.

Para o presidente do Sistema Fecomércio-MS, Edison Araújo, as mudanças das regras do FCO atendem reivindicação antiga do setor. “O anúncio vem numa hora importante em que temos importantes compromissos trabalhistas e legislativos a cumprir; por isso pode representar uma saída e oportunidade de utilização de recursos para financiamento e investimento nas áreas de infraestrutura e de estoques, por exemplo”.

O recurso pode ser solicitado por qualquer empreendimento formalizado que tenha atividade produtiva no Estado. No caso dos pequenos negócios, é preciso estar enquadrado em algum porte de empresa, o que vai depender do faturamento anual. Para Microempreendedor Individual, o faturamento é de até R$ 81 mil, Microempresa até R$ 360 mil e Pequena Empresa deve ser acima de R$ 360 mil e até R$ 4,8 milhões por ano.