Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402304 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 403856 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4847 35003464 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.4996 35976040 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402304 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 403856 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4847 35003464 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.4996 35976040 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402304 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 403856 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4847 35003464 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.4996 35976040 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402304 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 403856 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4847 35003464 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.4996 35976040 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

Extinção de empresas bate recorde

Extinção de empresas bate recorde

 

Em Maio, o número de empresas extintas em MS teve crescimento de 25% em maio, passando de 206 em abril para 259 no mês passado (Foto: Divulgação)

Em Maio, o número de empresas extintas em MS teve crescimento de 25% em maio, passando de 206 em abril para 259 no mês passado (Foto: Divulgação)

Da Redação

Dados divulgados pela Jucems (Junta Comercial de Mato Grosso do Sul), mostram que a crise econômica tem atingido em cheio a classe empresarial no Estado. Em Maio, o número de empresas extintas em MS teve crescimento de 25% em maio, passando de 206 em abril para 259 no mês passado. Este é o maior número de comércios fechados desde 2013 no Estado.

No mês passado, três empresas declararam falência, sendo o maior número dos últimos cinco anos no Estado. Outra baixa que chama a atenção é que 52 filiais foram extintas em maio e no acumulado do ano, 214 filiais foram fechadas.

De empresas constituídas, 482 foram abertas no mês passado e a queda em relação a abril é de 9%, depois de três meses em um ritmo bom de criação de comércios.

De acordo com o presidente da Jucems, Augusto César Ferreira, as quedas são em relação ao momento econômico que o país vive.”Outro fator que contribui para o fechamento de empresas é que em fevereiro do ano passado, foi feita uma alteração em que o empresário pode dar baixa no CNPJ e a ter os débitos da empresa transferidos para o seu CPF”, explica.

Com a medida, o empresário pode abrir uma nova empresa, mesmo que tenha débitos em seu nome. “Sendo assim, houve elevação no número de empresas fechadas. Mas vamos acompanhar os números para ver se a partir de agora serão positivos ou negativos, pois a Jucems é um reflexo do que está acontecendo na economia”.

Em contrapartida, 2.447 empresas foram alteradas, maior número desde 2004 e isso significa que os empresários estão fazendo mudanças e até ampliando os comércios. “São empresas que trocaram de dono ou que ampliaram o espaço e vemos esse número com boa alternativa”, disse. (Com informações da Jucems).