Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401160 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 401432 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3581 8698936 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3708 9142880 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401160 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 401432 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3581 8698936 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3708 9142880 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401160 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 401432 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3581 8698936 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3708 9142880 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401160 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 401432 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3581 8698936 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3708 9142880 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

Etanol brasileiro pode ajudar China a reduzir emissões e dependência de petróleo importado

Etanol brasileiro pode ajudar China a reduzir emissões e dependência de petróleo importado

 

A maior utilização de biocombustíveis na China, especialmente do etanol de cana-de-açúcar produzido pelo Brasil, representa uma oportunidade de negócio e uma solução estratégica de curto-prazo para o desafio chinês de aumentar em 20% o uso de combustíveis não fósseis no consumo de energia primaria até 2030.

Para a Única (União da Indústria de Cana-de-Açúcar), elevar a presença do combustível renovável brasileiro naquele país ajudaria o gigante asiático a reduzir sua dependência do petróleo importado, cuja demanda é uma das maiores do mundo.

Em busca de mais informações a respeito das vantagens econômicas, sociais e ambientais do etanol de cana, um grupo formado por quatro pesquisadores chineses esteve, no dia 14/03 na sede da Unica.

A delegação foi liderada pelo presidente da Academia de Engenharia Chinesa, Xie Kechang, que esteve acompanhado do representante da Universidade de Tsinghua, Yan Xiaohui, do diretor do Instituto de Ciência & Tecnologia de Beijing, Ren Xiangkun, e da professora da Universidade de Tecnologia de Taiwan, Li Wenying.

A presidente da Unica propôs alguns pontos de cooperação entre o setor produtivo nacional e a China. Foram eles: parceria tecnológica envolvendo o desenvolvimento de etanol de segunda geração (2G); adaptação de sistemas flex-fuel em carros chineses; acordos comerciais; e intercâmbio de conhecimento técnico e regulatório. (Fonte: Única).