Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402432 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403936 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4741 36536120 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.4878 37490096 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402432 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403936 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4741 36536120 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.4878 37490096 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402432 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403936 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4741 36536120 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.4878 37490096 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402432 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403936 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4741 36536120 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.4878 37490096 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

Embrapa recomenda: Plantio de soja em sucessão ao sorgo-sacarino exige atenção

Embrapa recomenda: Plantio de soja em sucessão ao sorgo-sacarino exige atenção

 

sorgo_agencia_de_noticias_embrapa

Parte aérea e o sistema radicular da soja são prejudicados, o que pode resultar em diminuição do potencial produtivo. (Foto: Agência Embrapa).

Pesquisa realizada pela Embrapa Agropecuária Oeste (Dourados/MS) conclui que a semeadura da soja com um intervalo de uma semana após o manejo do sorgo sacarino já seria suficiente para amenizar possíveis efeitos negativos na soja. O plantio de soja imediatamente após o manejo do sorgo sacarino pode prejudicar o desenvolvimento da leguminosa”, explica o pesquisador Rodrigo Arroyo Garcia.

Os estudos comprovaram que os resíduos do sorgo-sacarino – devido à liberação de substâncias alelopáticas –  influenciam no desenvolvimento da soja em sucessão, caso esse intervalo sugerido não seja respeitado. Segundo o pesquisador, a parte aérea e o sistema radicular da soja são prejudicados, o que pode resultar em diminuição do potencial produtivo.

Essas influências negativas do sorgo sacarino são produzidas por substâncias alelopáticas, ou seja, um processo natural da cultura, que envolve a liberação de metabólitos produzidos pela planta, que influenciam o crescimento e desenvolvimento de cultivos posteriores. O termo alelopatia foi criado pelo pesquisador austríaco Hans Molisch, em 1937, e deriva da união das palavras gregas allélon (de um para outro) e pathos (sofrer). O conceito descreve a influência de um indivíduo sobre o outro, no caso uma planta sobre a outra planta, seja prejudicando ou favorecendo a segunda, e sugere que o efeito é realizado por biomoléculas (denominadas aleloquímicos) produzidas por uma planta e liberadas no ambiente.

“Nesse caso, observamos que o sorgoleone, presente nos resíduos do sorgo sacarino, principalmente nas raízes, é o responsável pelo efeito desfavorável na cultura sucessora”, explica Arroyo. Ele salienta que o experimento foi conduzido em casa de vegetação e os resultados foram muito consistentes. Portanto, mesmo que em condições de campo os efeitos sejam atenuados, o crescimento da soja pode ser prejudicado.

Maiores detalhes sobre a pesquisa podem ser obtidos por meio da leitura do Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, nº 74 , intitulado “Alelopatia do Sorgo-Sacarino na Soja Cultivada em Sucessão”. Clique http://bit.ly/2m2xrBD e confira.