Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401032 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 401304 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3100 8703528 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3226 9147472 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401032 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 401304 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3100 8703528 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3226 9147472 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401032 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 401304 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3100 8703528 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3226 9147472 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401032 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 401304 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3100 8703528 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3226 9147472 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

Em MS, 53 mil famílias perderam benefício da tarifa social

Em MS, 53 mil famílias perderam benefício da tarifa social

tarifa social

Somente em janeiro e fevereiro deste ano, 17 mil benefícios da Tarifa Social de Energia Elétrica foram revogados em Mato Grosso do Sul. Com isso 53 mil famílias perderam o benefício desde o ano passado. Os número são da Energisa e apontam que o principal motivo está na falta de atualização cadastral dos beneficiários, que somam 143 mil famílias no Estado. Quem perdeu a tarifa pode novamente tentar o recadastramento desde que se enquadre em critérios do programa.

A atualização inclui, por exemplo, o Número de Identificação Social (NIS) que precisa ser renovado a cada dois anos e pode culminar no cancelamento automático do Programa Federal que concede desconto na conta de energia, dependendo da faixa de consumo.

No entanto, o aumento da renda familiar e a expiração da validade do relatório médico dos clientes enfermos, também são motivos para o desenquadramento do benefício. “Todos os meses recebemos, da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), um relatório geral sobre as famílias que perderam o benefício, e identificamos que esse número vem crescendo a cada mês, contrapondo todo trabalho realizado por nossas equipes que percorrem o estado promovendo campanhas de inclusão na TSEE”, explica Jonas Ortiz Rudis, coordenador Comercial da Energisa.

Para manter o cadastro ativo, é necessário seguir alguns critérios, como por exemplo, atualizar o Número de Identificação Social (NIS) a cada dois anos, no Centro de Referência e Assistência Social (CRAS) dos municípios. Entretanto, outras condições também garantem a continuidade do benefício.

“Se enquadrar nos critérios de renda, não possuir duplicidade na TSEE e manter sempre em dia o relatório médico – nos casos em que clientes são enfermos e dependem de equipamentos que demandem consumo de energia elétrica”, explica Ortiz, que alerta sobre casos da desatualização do NIS. “Quando isso ocorrer, será necessário também refazer a renovação junto à Energisa”, finaliza.

Em Mato Grosso do Sul, 143 mil famílias baixa renda estão cadastradas na Tarifa Social. “Se analisarmos os últimos quatro anos, houve aumento de quase 40% dos inscritos. Mas ainda 83 mil famílias têm potencial para integrar ao programa, sendo que a maioria desconhece sobre esse direito”, finaliza.

Como funciona? – É um direito que garante desconto na conta de energia elétrica para famílias baixa renda, indígenas ou quilombolas – dependendo da faixa de consumo. Quando for de até 30 kWh, o desconto será de 65%; quando for de 31 a 100 kWh, a redução será de 40%; quando atingir a faixa entre 100 a 220 kWh, o desconto será de 10%.