Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402368 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 403872 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4946 36534856 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5094 37488832 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402368 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 403872 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4946 36534856 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5094 37488832 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402368 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 403872 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4946 36534856 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5094 37488832 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402368 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 403872 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4946 36534856 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5094 37488832 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

Em MS, 15,6 mil trabalhadores procuram vaga há mais de 2 anos

Em MS, 15,6 mil trabalhadores procuram vaga há mais de 2 anos

desemprego

Apesar de registrar queda na taxa de desocupação no segundo trimestre deste ano, 96,72 mil sul-mato-grossense estão há pelo menos um mês procurando emprego em Mato Grosso do Sul, sendo que 15,6 mil já estão nas filas por vagas há mais de dois anos. Os números são do Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), divulgada nesta quinta-feira.

Conforme o levantamento, nos meses de abril, maio e junho de 2019 a taxa de desocupação foi de 8,3%, o que representa 120 mil pessoas. Em relação ao trimestre anterior, houve queda de 1,2%. É a quarta menor taxa de desocupação do país, atrás de Santa Catarina (6,0%), Rondônia (6,7%) e Rio Grande do Sul (8,2%). Já em relação ao mesmo trimestre de 2018, a taxa se manteve estável, com aumento de 0,7 ponto percentual.

Apesar da melhora nos índices, 96,72 mil pessoas classificadas como desocupadas na pesquisa, procuram emprego há mais de um ano. Do total de 120 mil, a maioria (57,1%) procura emprego entre um mês e um ano; 12,6 mil (10,5%) de um ano a dois meses; e 15,6 mil (13%) há mais de dois anos.

No País, a taxa de desocupação do país no segundo trimestre de 2019 foi de 12,0%, caindo em ambas as comparações: -0,7% frente ao primeiro trimestre deste ano (12,7%) e 4% em relação ao mesmo trimestre de 2018 (12,4%).

Idade também é desafio  – O último registro na carteira de trabalho da auxiliar de costura Márcia Mourão, de 40 anos, foi em 2012 e desde então todas as atividades dela foram exercidas como “bicos”. Apesar do desânimo, ela conta nunca ter pensado em desistir de procurar emprego. “Onde vejo que estão procurando eu deixo currículo”.