Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402304 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403808 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4822 36475008 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.4958 37428448 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402304 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403808 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4822 36475008 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.4958 37428448 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402304 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403808 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4822 36475008 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.4958 37428448 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402304 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403808 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4822 36475008 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.4958 37428448 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

Em Dourados alimentos sobem mais que inflação

Em Dourados alimentos sobem mais que inflação

 

Dênes de Azevedo

 

O Indicador Econômico esmiuçou a pesquisa mais recente do Procon de Dourados, feita no dia 4 de maio, e a comparou, produto a produto, com a pesquisa do dia 4 de maio do ano passado. Em 12 meses os preços dos 28 produtos da cesta básica juntos subiram em média 19,84%, quase três vezes mais que inflação prevista para 2016, que é de 7,28%. Em média o consumidor gasta agora R$ 20,67 a mais que em maio passado para levar a mesma cesta de produtos para casa.

Cada vez que vai ao supermercado o consumidor é surpreendido com os preços dos produtos remarcados. Mas nunca faz as contas para saber o quanto está se pagando a mais pelos alimentos, produtos de limpeza e de higiene, num momento em que o Brasil vê a sua economia em derrocada e ainda convive e se assusta com o fantasma da inflação.

O Indicador Econômico esmiuçou a coleta de dados do Procon, feita em 10 dos supermercados de Dourados, incluindo atacado, dois hiper e mercados de bairro, e descobriu que a batata foi o alimento que mais teve preço majorado em um ano, passando de R$ 1,98 o quilo para R$ 4,42. O aumento é de R$ 2,44 no preço ou 123,3%.

Na faixa entre 50% e 100% de reajuste estão a cebola, cuja porção de 90g passou de R$ 1,99 para R$ 3,89, um aumento de R$ 1,90 ou 95,48%. O quilo do fubá subiu 65,9%, de R$ 1,38 para R$ 2,29 e o pacote de 5 quilos do açúcar 56,4%, de R$ 6,97 para R$ 10,90. Já para levar uma lata de 350ml de extrato de tomate para casa o consumidor terá de desembolsar R$ 0,40 a mais. Em maio do ano passado custava R$ 0,89 e agora é vendido a R$ 1,29, um aumento de 44,9%.

O Indicador Econômico fez o cálculo levando em conta o produto mais barato pesquisado pelo Procon entre os 10 supermercados. Para comprar nessa condição o consumidor deveria fazer compras em vários supermercados. Como geralmente o brasileiro não pesquisa e compra em um único mercado, no geral ele vai gastar bem mais que a média levantada. A pesquisa não leva em conta marca, nem qualidade ou rendimento de produto, simplesmente o produto mais barato.

Entre os produtos de limpeza o que mais apresentou alta em 12 meses foi o sabão em barra (pacote 5 unidades), que passou de R$ 2,99 para R$ 3,59, com um aumento de R$ 0,60 por pacote ou 20%. Já no caso dos produtos de higiene pessoal o papel higiênico (pacote de 4 unidades) subiu de R$ 1,10 para R$ 1,49. Aumento de R$ 0,39 ou 35,4%.

Entre os 10 supermercados pesquisados, 9 tiveram pesquisa repetida este ano. Entre eles o que apresentou menor variação de preço da cesta em 12 meses foi o Pérola: apenas 6,9% de reajuste na cesta pesquisada, que era vendida a R$ 105,13 em maio passado e agora a R$ 112,38. O que apresentou a maior variação foi o Abevê Shopping, que vendia a cesta a R$ 85,82 e agora a R$ 109,73. O reajuste é de 27,8%.

 

VARIAÇÃO

Variação da cesta de 28 produtos entre 9 supermercados que tiveram pesquisas repetidas em maio de 2015 e maio de 2016:

 

Abevê Shopping: R$ 85,82 (2015) – R$ 109,73 (2016). Diferença: R$ 23,91. Percentual: 27,8%

Big Bom: R$ 101,92 (2015) – R$ 130,11 (2016). Diferença: R$ 28,19. Percentual: 27,6%

Chama: R$ 97,87 (2015) – R$ 120,67 (2016). Diferença: R$ 22,80. Percentual: 23,3%

Atacadão: R$ 98,92 (2015) – R$ 121,34 (2016). Diferença: R$ 22,42. Percentual: 22,6%

Cuenca: R$ 110,93 (2015) – R$ 135,23 (2016). Diferença: R$ 24,30. Percentual: 21,9%

Mercado Paraná: R$117,76 (2015) – R$ 141,88 (2016). Diferença: R$ 24,12. Percentual: 20,48%

São Francisco: R$ 106,54 (2015) – R$ 122,72 (2016). Diferença: R$ 16,18. Percentual: 15,18%

Extra Hiper: R$ 132,05 (2015) – R$ 148,98 (2016). Diferença: R$ 16,93. Percentual: 12,8%

Pérola: R$ 105,13 (2015) – R$ 112,38 (2016). Diferença: 7,25. Percentual: 6,9%

 

PRODUTOS

Evolução dos preços dos produtos de maio de 2015 para maio de 2016, sempre pelo menor preço obtido na pesquisa do Procon em 10 supermercados de Dourados, não levando-se em conta marca, nem qualidade ou rendimento.

 

batata inglesa

Preço da batata subiu de R$ 1,98 para R$ 4,42.: aumento de R$ 2,44 ou 123,3%. (Foto: divulgação).

Batata (1 quilo): Subiu de R$ 1,98 para R$ 4,42. Aumento de R$ 2,44 ou 123,3%;

Cebola (90g): Subiu de R$ 1,99 para R$ 3,89. Aumento de R$ 1,90 ou 95,48%;

Fubá (1 quilo): Subiu de R$ 1,38 para R$ 2,29. Aumento de R$ 0,91 ou 65,9%;

Açúcar (5 quilos): subiu de R$ 6,97 para R$ 10,90. Aumento de R$ 3,93 ou 56,4%;

Extrato de tomate (350ml): Subiu de R$ 0,89 para R$ 1,29. Aumento de R$ 0,40 ou 44,9%;

Sal (1 quilo): Subiu de R$ 0,69 para R$ 0,95. Aumento de R$ 0,26 ou 37,6%;

Feijão (1 quilo): Subiu de R$ 1,89 para R$ 2,49. Aumento de R$ 0,60 ou 31,7%;

Arroz (5 quilos): subiu de R$ 7,99 para R$ 9,90. Aumento de R$ 1,91 ou 23,9%;

Margarina (500g): Subiu de R$ 1,39 para R$ 1,69. Aumento de R$ 0,30 ou 21,6%;

Óleo de soja (900ml): Subiu de R$ 2,59 para R$ 2,99. Aumento de R$ 0,40 ou 15,4%;

Ovos (dúzia): subiu de R$ 3,59 para R$ 3,95. Aumento de R$ 0,36 ou 10%;

Farinha de mandioca (1 quilo): subiu de R$ 3,15 para R$ 3,39. Aumento de R$ 0,24 ou 7,6%;

Carne bovina (paleta) – 1 quilo: Subiu de R$ 8,99 para R$ 9,59. Aumento de R$ 0,60 ou 6,6%;

Composto lácteo coma açúcar (400g): Subiu de R$ 2,28 para R$ 2,40. Aumento de R$ 0,12 ou 5,2%:

Macarrão (500g): Subiu de R$ 1,38 para R$ 1,49. Aumento de R$ 0,11 ou 4,8%;

Alho (200g): cai de R$ 2,79 para R$ 2,59. Redução de R$ 0,20 ou 7,7%;

Café (500g): Caiu de R$ 4,59 para R$ 4,29. Redução de R$ 0,30 ou 7%;

Goiabada (600g): Caiu de R$ 2,30 para R$ 2,19. Redução de 0,11 ou 5%;

Biscoito de Sal (400g): Se manteve a R$ 1,99;

Erva mate de tereré (500g): Se manteve a R$ 2,59;

Farinha de trigo (1 quilo): Se manteve a R$ 1,69.

 

Limpeza

sabao em barra

Pacote do sabão em barra subiu de R$ 2,99 para R$ 3,59.: aumento de R$ 0,60 ou 20%. (Foto: divulgação).

Sabão em barra (pacote 5 unidades). Subiu de R$ 2,99 para R$ 3,59. Aumento de R$ 0,60 ou 20%;

Água sanitária (1litro): Subiu de R$ 1,29 para R$ 1,49. Aumento de R$ 0,20 ou 15,5%;

Esponja de aço (unidade): subiu de R$ 0,79 para R$ 0,89. Aumento de R$ 0,10 ou 12,6%;

Sabão em pó (1 quilo): Subiu de R$ 3,79 para R$ 4,30. Aumento de R$ 0,51 ou 13,4%;

 

 

 

Higiene pessoal

Papel higiênico (pacote 4 unid): subiu de R$ 1,10 para R$ 1,49. Aumento de R$ 0,39 ou 35,4%;

Sabonete (90g): subiu de R$ 0,51 para R$ 0,69. Aumento de R$ 0,18 ou 35,3%.

Creme dental (90g): Se manteve a R$ 1,09.

papel-higienico-1_2210858

Pacote de papel higiênico subiu de R$ 1,10 para R$ 1,49: aumento de R$ 0,39 ou 35,4%. (Foto: Divulgação).