Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402304 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403808 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.6046 36293296 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.6274 37244160 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402304 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403808 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.6046 36293296 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.6274 37244160 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402304 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403808 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.6046 36293296 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.6274 37244160 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402304 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403808 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.6046 36293296 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.6274 37244160 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

Em 2020, dengue infectou mais de 41 mil pessoas em MS

Em 2020, dengue infectou mais de 41 mil pessoas em MS

Os dados mais recentes divulgados pela secretaria estadual de Saúde (SES) mostram que, em 2020, a dengue infectou mais de 41 mil pessoas em Mato Grosso do Sul.

Em números absolutos, foram 41.378 confirmações e 42 mortes causadas pelo Mosquito.

Ainda com base na atualização da SES, somente nos últimos 49 dias do ano, foram produzidos 2.104 ocorridos, sendo que a cidade com maior número de casos foi Campo Grande, com pouco mais de 13 mil casos.

Como resultado dos dados, Mato Grosso do Sul permaneceu e encerrou o ano ocupando a 2ª posição entre os estados do país com maior incidência de casos de Dengue.

Todos os 79 municípios conhecidos na faixa vermelha, ou seja, classificados com alta incidência da doença; o nível indica mais de 300 casos por 100 mil habitantes.

A boa notícia é que, apesar do número de óbitos, as doenças desaceleraram no decorrer do ano. Enquanto no primeiro trimestre de 2020, 27 pessoas morreram, o número foi descendo e nos outros nove meses quase caiu para a metade.

O mês com os maiores registros foi março, com 11 óbitos.

No todo, além da Capital, as cidades mais atingidas pelo Mosquito foram: Ponta Porã (4.347), Três Lagoas (2.849), Corumbá (2.180), Amambaí (1.761) e Dourados (1.197).