Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401032 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401304 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.2998 8701096 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3113 9145040 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401032 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401304 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.2998 8701096 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3113 9145040 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401032 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401304 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.2998 8701096 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3113 9145040 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401032 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401304 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.2998 8701096 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3113 9145040 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

Contratação de recursos do FCO soma R$ 146 milhões no bimestre em MS

Contratação de recursos do FCO soma R$ 146 milhões no bimestre em MS

fcoNo primeiro bimestre, Mato Grosso do Sul contratou R$ 146 milhões em recursos do FCO (Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste). Além destes valores, mais R$ 1 bilhão já está internalizado e em processo de contratação em projetos. Os números foram apresentados hoje (10) na reunião do CEIF/FCO (Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis pelo FCO) realizada na Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar).

O FCO Rural lidera as contratações, com R$ 102 milhões por meio de 191 contratos nos dois primeiros meses do ano, além de processos internalizados que somam R$ 518 milhões. Enquanto o segmento empresarial contratou R$ 44 milhões em 88 operações e tem R$ 402 milhões em fase de análise. Em 2020, Mato Grosso do Sul dispõe de R$ 2,011 bilhões de financiamento dos dois setores.

Aquisição de máquinas e equipamentos agrícolas e correção e conservação de solo são os principais projetos demandados dentro do segmento rural. No FCO empresarial a aquisição de máquinas lidera a contratação dos recursos. Terenos, Maracaju e Vicentina, são os municípios que até o momento, mais buscaram recursos do FCO em 2020.

O CEIF aprovou hoje recursos que somam R$ 9,827 milhões para o setor empresarial e R$ 139,6 milhões para o rural, a serem investidos em praticamente todo o Mato Grosso do Sul. Tais valores passarão a contar no balanço do mês de março.

Entre os destaques, foram aprovados mais de R$ 30 milhões em recursos para investimento em suinocultura em Glória de Dourados e Deodápolis. O secretário Jaime Verruck destaca que em Mato Grosso do Sul o FCO tem tido papel importante no desenvolvimento do Estado.

“Hoje o FCO faz o papel de fomento às culturas no Estado. Tem auxiliado a promover o desenvolvimento e a expansão dos setores produtivos, principalmente a suinocultura e avicultura. Na pecuária e agricultura, os recursos têm possibilitado a aquisição de máquinas e no empresarial, a abertura e ampliação de novos negócios”, explica o secretário e presidente do CEIF.

Melhorias -O conselho do FCO, atendendo pedido da Sudeco, aprovou melhorias de gestão para dar mais transparência às ações no âmbito do financiamento. A ideia é a criação de um sistema on-line que unifique as informações do Centro-Oeste, permitindo inclusive o acompanhamento de cada processo, desde a apresentação de carta-consulta até a contratação dos recursos.

O Banco do Brasil está fazendo ações para ampliar a divulgação do FCO empresarial. Todos os clientes do banco com limite de crédito para contratação de FCO acima de R$ 50 mil foram contatados para conhecer os benefícios da linha de financiamento. A demanda do setor empresarial segue boa, mas abaixo do ritmo do segundo semestre de 2019.