Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402432 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403856 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3134 8717560 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3270 9634200 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402432 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403856 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3134 8717560 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3270 9634200 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402432 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403856 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3134 8717560 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3270 9634200 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402432 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403856 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3134 8717560 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3270 9634200 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

Com 29 quilos por ano, sul-mato-grossenses são os mais carnívoros do país

Com 29 quilos por ano, sul-mato-grossenses são os mais carnívoros do país

churrasco

Com 29,1 quilos de carnes per capita ano, o sul-mato-grossense é o maior consumidor do produto in natura no Brasil. O que confirma a nossa fama de carnívoros e apreciadores de um bom churrasco. Já o consumo de arroz e feijão no Estado vem caindo gradativamente quase pela metade nos últimos anos. E mais estamos bebendo mais álcool, mas reduzimos o consumo de sal e açúcar.

Este raio X dos hábitos de consumo foram mostrados hoje pela Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas). Na publicação são apresentados os resultados referentes às quantidades da aquisição de alimentos para consumo no domicílio, per capita no ano, de alimentos e bebidas da população brasileira.

Uma análise histórica por produtos selecionados revelou que o arroz com feijão, composição tradicional das refeições no Brasil e no Estado, apresentou uma redução considerável nas quantidades adquiridas para o consumo domiciliar. Enquanto na pesquisa anterior, a quantidade média per capita adquirida de arroz em MS foi de 31,5 kg, na POF 2017-2018 ela foi de 25,29 kg, recuo de 42%. Já o consumo médio de feijão, por sua vez, ficou em 9,3 kg, em 2002-2003, para 4,6 kg na POF 2017-2018, redução de 50,5%, bem próxima da média nacional que foi de 52%.

Uma boa notícia foi que a aquisição de frutas e hortaliças cresceu no Estado neste período. A compra de frutas em 2017-2018 foi de 26,43 Kg/ano, um acréscimo de 44,57% em relação à 2002-2003 ( 18,26 kg). A média ficou próxima da média nacional (26,414 kg).

As frutas prediletas por aqui são: Banana (6,74 kg), laranja (5,18 Kg) e melancia (3,97 kg). Nas hortaliças também houve um avanço de compras em MS, e ficou em 28,734 kg, um aumento de 16,05% com relação à 2002-2003 (24,76 kg), maior que a média nacional (23,77 kg). As mais consumidas foram: tomate (6,26 kg), batata-inglesa (4,20 kg) e mandioca (3,83 kg).

Carnívoros – A pesquisa apontou uma coisa que muita gente desconfiava. MS tem  maior aquisição per capita de carnes do País, mas a 3º menor em pescados Quando analisadas as aquisições em kg/ano, os números de MS se destacam novamente. Enquanto a média de aquisição de carnes no país é de 20,76 kg, No Estado, a aquisição dos grupos de carnes se divide em: 6,69kg de carne bovina de primeira, 9,96 kg de carne bovina de segunda, 5,66 kg de carnes bovinas outras e 4,61 kg são de carne suína. A comparação com os anos de 2002-2003 (29,12kg) e 2008-2009 (29,23 kg) mostra um tímido aumento, quase sendo considerado estável.