Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 400968 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401240 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3153 8754352 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3301 9750512 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 400968 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401240 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3153 8754352 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3301 9750512 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 400968 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401240 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3153 8754352 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3301 9750512 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 400968 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401240 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3153 8754352 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3301 9750512 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

Clima deve derrubar em 33% produção do milho safrinha no Estado

Clima deve derrubar em 33% produção do milho safrinha no Estado

O clima instável que atingiu as lavouras do Mato Grosso do Sul deve gerar perdas nas lavouras de milho segunda safra. Segundo dados da Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul (Aprosoja/MS), a colheita pode sofrer redução de 33%, passando de 9,5 milhões de toneladas, para 6,3 milhões.

colheita pode sofrer redução de 33%, passando de 9,5 milhões de toneladas, para 6,3 milhões, segundo estimativa da Aprosoja/MS

colheita pode sofrer redução de 33%, passando de 9,5 milhões de toneladas, para 6,3 milhões, segundo estimativa da Aprosoja/MS

Com o déficit esperado na produção, a estimativa de produtividade média também teve queda, passando de 68 sc/ha para 59,9 sc/ha. As condições climáticas desfavoráveis, desde a safra da soja 2015/2016, que persistiram no desenvolvimento do milho, prevalecem como fatores determinantes para a queda constante das estimativas. Entretanto, segundo a Aprosoja, por não se tratarem de números finais, até o final da colheita podem ocorrer novas alterações.

O clima foi determinante para a queda nas estimativas de produção. No início do ano o Estado registrou altos índices de chuvas que se estenderam o plantio até a colheita. Logo após, as lavouras passaram por um longo período de estiagem. E nas últimas semanas, geadas foram registradas, prejudicando a qualidade da planta. “Esse fenômeno congela a folha verde da planta, que para de realizar fotossíntese e morre. Como consequência, a espiga não evolui mais, às vezes nem produz mais grãos ou produz grãos sem peso”, analisa Christiano Bortolotto, presidente da Aprosoja/MS.

A região sul do Estado é a mais afetada pelas recentes geadas, sendo que 13 municípios foram fortemente afetados pelas baixas temperaturas, compreendendo uma área total de 751 mil hectares.