Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402376 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0003 403880 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.7788 35992888 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.7935 36929304 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402376 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0003 403880 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.7788 35992888 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.7935 36929304 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402376 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0003 403880 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.7788 35992888 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.7935 36929304 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402376 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0003 403880 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.7788 35992888 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.7935 36929304 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

Após 4 anos, MS volta a ter saldo positivo na criação de empregos

Após 4 anos, MS volta a ter saldo positivo na criação de empregos

emprego caged

Mato Grosso do Sul fechou 2019 com saldo positivo de 12.599 postos de trabalho. A geração de empregos no Estado não apresentava balanço favorável desde 2014.

Os dados são do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), cuja última atualização foi divulgada nesta sexta-feira (24) pelo ministério do Trabalho.

Segundo o levantamento, 253.278 trabalhadores foram admitidos no Estado, de janeiro a dezembro de 2019. Em igual período, 240.679 pessoas foram demitidas de seus postos formais.

O setor de serviços foi o que mais empregou (93.092) e fechou 2019 com saldo positivo de 7.950.

O comércio contratou 65.292 trabalhadores no ano passado, ao passo que a indústria admitiu 38.559.

Por sua vez, o segmento agropecuário engajou 37.252 pessoas. Na construção civil, foram gerados 16.909 novos empregos.

Na esteira da crise nacional, Mato Grosso do Sul vinha de ano consecutivos de saldo negativo na geração de serviço. O pior resultado foi registrado em 2015, com fechamento de 11.561 postos de trabalho.

Municípios – Impulsionado pela inauguração de complexo de beneficiamento de soja em 2019, o município de Dourados teve o melhor saldo do Estado, com 6.208 empregos. Foram 29.560 admissões, contra 23.352 demissões.

Em 2018, Dourados havia encerrado o ano com pior desempenho de Mato Grosso do Sul, com menos 8.462 postos de trabalho. Campo Grande fechou o ano passado com 99.544 contratações e 97.887 desligamentos – resultado positivo de 1.657. Três Lagoas teve saldo favorável de 753. Já Ponta Porã (-143) e Corumbá (-41) tiveram balanços negativos.

Mês a mês – O Caged também expôs comparativo na geração de empregos entre dezembro e novembro de 2019. De um mês ao outro, o saldo foi negativo, de -6.328 postos.

O último mês do ano anterior somou 13.300 admissões e 19.628 demissões no Estado
Apesar do balanço negativo, o resultado foi o melhor para o mês desde dezembro de 2005, que identificou -4.100 postos formais.

A reportagem procurou o superintendente regional do Trabalho em Mato Grosso do Sul, Jaber Cândido, que não atendeu, retornou ou respondeu mensagens até a publicação da matéria.

Brasil – Ainda segundo números do ministério do Trabalho, 644.079 novas vagas de trabalho foram criadas em todo o Brasil no ano passado. O dado configura melhor resultado dos últimos seis ano no País.