Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 400776 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401048 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.2967 8707928 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3065 9151872 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 400776 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401048 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.2967 8707928 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3065 9151872 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 400776 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401048 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.2967 8707928 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3065 9151872 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 400776 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401048 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.2967 8707928 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3065 9151872 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

Começa o outono, época de colheita de frutas e verduras nutritivas

Começa o outono, época de colheita de frutas e verduras nutritivas

 

laranja

Em abundancia no outono, a laranja ajuda a reduzir o colesterol, as inflamações e a bloquear as células cancerígenas.

Da Redação

Começou neste domingo, às 12h30 de MS, a estação do ano chamada outono. É uma estação de clima agradável e, por isso, propícia para a colheita de frutas e verduras de qualidade. Especialistas apontam que alguns alimentos colhidos nesta época são mais ricos em nutrientes.

Este ano, o outono, que segue até 20 de junho, começa sob influência do El Niño, o superaquecimento das águas do Pacífico De acordo com o Inpe (Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

Fabiene Casamento, da Somar Meteorologia, explica que a incidência do El Niño será menor, com chuvas menos volumosas e concentradas na Argentina, no Uruguai e no sul do Rio Grande do Sul. As temperaturas também devem cair.

Por outro lado, deve voltar a chover no Norte e Nordeste do país, porém. O volume das chuvas não devem atingir a média histórica para o período na região.

Frentes frias conseguirão avançar pelo Brasil em maio, atingindo partes da região Centro-Oeste, além do Sul e Sudeste do país. A instabilidade, entretanto, será menor do que no verão. Mesmo com as frentes frias, as temperaturas ainda devem ficar mais elevadas do que o normal para esta estação, também em decorrência do El Niño.

 

Colheita

Por causa da temperatura mais amena, as folhas e frutas, que já estão bem maduras, começam a cair no chão naturalmente. Por isso também é conhecida como a “estação das frutas”, devido à grande variedade de iguarias encontradas no período.

Frutas da época são mais doces, enquanto as verduras apresentam coloração mais viva e aromas mais intensos, segundo a chef de cozinha, Lara Brittes. “Como são colhidos em seu ponto alto de sabor e nutrientes, os alimentos sazonais são mais saudáveis e dão excelentes resultados na cozinha. Por isso devemos montar a nossa alimentação sempre utilizando os alimentos da época”, ressalta.

 

Veja uma lista com 10 alimentos que colhidos no outono, apresentam melhor qualidade nutricional:

 

Abacate: Rico em gorduras monoinsaturadas e fibras, ajuda a controlar o colesterol, melhora o sistema circulatório e a pele. Contém ácido fólico, que auxilia na prevenção de efeitos congênitos (que nascem com a pessoa), e potássio, indicado para inchaços, fadiga, depressão, problemas cardíacos e derrames.

Abobrinha: Encontrada de março a maio, é fonte de vitaminas do complexo B e possui poucas calorias. Contém também minerais como fósforo, cálcio e ferro.

Batata-doce: É fonte de potássio e cálcio, importantes na formação de ossos, contração muscular e na diurese.

Beterraba: A melhor época para adquiri-las é de março a maio. Sua cor vermelho-arroxeada deve-se à presença da betalaína, um corante que é importante antioxidante. Ela contém betacaroteno (um precursor da vitamina A), B1, B2, B5, e apresenta ainda minerais como o cálcio, sódio, fósforo e o silício, que é parte integrante do colágeno; e o zinco, que juntamente ao o ferro e o cobre ajudam na formação de glóbulos vermelhos.

Caqui: É rico em fibras e vitaminas A, C, B1 e B2. Possui cálcio e ferro. A fruta é considerada um antioxidante por combater os radicais livres (relacionados ao envelhecimento precoce, a alguns cânceres, entre outras doenças).

Kiwi: São encontrados facilmente a partir de abril. É uma fruta rica em vitamina C, E e potássio. Fonte de pectina, uma fibra que ajuda a controlar o nível de açúcar e colesterol no sangue. Tem efeito laxativo. Pode-se utilizá-lo como amaciante de carnes, por sua acidez.

Laranja: Rica em vitamina C, cálcio, fósforo e ferro, melhora a imunidade e apresenta vários antioxidantes, que ajudam a reduzir o colesterol, as inflamações e a bloquear as células cancerígenas.

Maracujá: Possui alto valor nutritivo. Rica em vitamina C e vitaminas do complexo B (B2 e B5), a fruta contém também quantidades razoáveis de sais minerais como ferro, cálcio e fósforo. Funciona como um calmante suave. As suas sementes são poderosos vermífugos.

Tangerina: Fonte de vitaminas A, B e C, e em menor grau, de sais minerais como cálcio, potássio, sódio, fósforo e ferro. A vitamina C, junto com o cálcio e o fósforo, são essenciais para o desenvolvimento de dentes e ossos, e para a vitalidade dos vasos sanguíneos.A vitamina C também ajuda a combater infecções, a aumentar a resistência do organismo e a absorver o ferro de outros alimentos.

 

Folhas caem

Porque as folhas das plantas caem no outono. Trata-se de uma estratégia das plantas para se proteger do frio, reduzindo ao máximo seu gasto de energia.

“Quando chega o outono e os dias começam a ficar mais curtos, a natureza está sinalizando às árvores que chegou o momento de modificar algumas de suas características”, afirma o biólogo Gilberto Kerdauy, da USP.

Com menos luz solar, a primeira alteração é parar de produzir clorofila, a substância responsável pela absorção do gás carbônico e sua transformação em carboidratos, usados na geração de energia para a planta. Com a diminuição da clorofila, as folhas das árvores tornam-se amareladas ou avermelhadas.

A planta começa, então, a produzir um hormônio chamado ácido abscísico. Ele se acumula na base da haste das folhas, o pecíolo, matando as células daquela região. O pecíolo acaba se rompendo e a folha cai, sem precisar mais ser alimentada pela árvore, que pode, então, usar essa energia para seu próprio aquecimento.

 

(Com G1 e Conquiste sua Vida e Mundo Estranho)